quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Devaneios parte IV

Acordei hoje e lembrei do seu cheiro. Ou senti em alguém no caminho pra faculdade, não sei. Sei que lembrei, e parei pra pensar que oras, se lembrei, será que é porque eu tô te esquecendo? Outro dia quis ver seu rosto e tive que procurar numa foto, veja só. Confesso que o fundo de felicidade foi BEM fundo, mas preciso adimitir que me bateu uma desesperança. Sabia que ando sem esperanças no amor? É. No amor que eu pensei ter um dia, que eu pensei ser pra sempre. Será que eu tinha? Será que ele realmente existia? E digo mais: da sua parte E da minha. Preciso admitir que não sei mais. Fico feliz em ver o sofrimento se afastar um pouco mais, claro que fico. Mas me bate uma pontinha de dúvida: tanto tempo em vão? Era só pra eu aprender a fazer direito - a amar, quem sabe - da próxima vez? Minha mãe acha graça quando lê minhas questões. "Ah, Nina, é sempre igual. Um dia passa, você vai ver". Eu sei, mãe, tá até passando. Mas a sensação de ter desperdiçado tempo, dedidação, sentimento, e até de ter doado uma boa parte de mim, ah, que me desculpem minha mãe e quem já passou por isso: essa sensação existe. Só não sei se passa.

Só pra constar: eu não escrevo mais do Maceió Brasil porque o site tá fora do ar! Também sinto falta dele, Rodrigo, mas tenho que esperar as coisas normalizarem por lá, por isso ando escrevendo os textos todos aqui. Bom, desde que você me visite aqui e lá, tá tudo certo! :)

Constando 2: Ah, Karina, quer dizer então que você me ouviu na rádio? Que bom! Aliás, tô aqui nesse momento... Amando, diga-se de passagem. Ouçam, pessoas, e me digam o que estão achando da minha performance como repórter esportiva! :)

5 comentários:

rodrigo disse...

Aaa.. estarei sempre por aqui, n sou eu, cm muitas amigas minhas gostam de ler o que vc escreve. so n comentam, mais leem sempre. qd voltap o maceiobrasil da o toque.
bjo

rodrigo disse...

Escrevendo divinamente, cm sempre.
tiberio

esparadrapo disse...

Eu fico perplexo em te ler. E como poucas vezes o fiz, desde quando te achei lá pelas bandas do fotolog, estou comentando. Comentnado porque não consigo ser imparcial a sua doçura constante, a sua alegria que gruda e não sai. Não, isso não é uma cantada, sou muito frio e calculista para cantadas assim. Não tenho como ler você e não querer te dar um abraço e dizer:"ó, to aqui, calma que já vai passar", não num ato de pena, mas num ato de admiração, porque é preciso ser muito mulher para assumir que sofre, sem jogo, sem entrelinhas. grande beijo.

esparadrapo disse...

Eu fico perplexo em te ler. E como poucas vezes o fiz, desde quando te achei lá pelas bandas do fotolog, estou comentando. Comentnado porque não consigo ser imparcial a sua doçura constante, a sua alegria que gruda e não sai. Não, isso não é uma cantada, sou muito frio e calculista para cantadas assim. Não tenho como ler você e não querer te dar um abraço e dizer:"ó, to aqui, calma que já vai passar", não num ato de pena, mas num ato de admiração, porque é preciso ser muito mulher para assumir que sofre, sem jogo, sem entrelinhas. grande beijo.

karina disse...

Ah ninokaa q bom brother!!!!! fiko feliz por vc

mais uma vez...fiko emocionada comas coisas q vc escrevee....adoooooroooo...

gostei do q esse esparadarapo disse e concordo
"é preciso ser muito mulher para assumir que sofre, sem jogo, sem entrelinhas."

bjokas ninaa
t adoroo =)

Postar um comentário