quinta-feira, 16 de julho de 2009

Basta uma

A paquera vai de vento em popa. Você já viu o carinha com os amigos em bares, em boates, até em uns shows. Que charme! Viu ele indo, e voltando do trabalho. Os olhares sempre se cruzam, mas não passa disso. Tudo que você sabe é o que imagina, porque nem coragem pra perguntar pra alguém em comum você tem. Esbarram-se na esquina da faculdade, seja dele ou a sua, vêem-se bastante. Você achava que ele não tinha namorada, mas sabia que devia sair com alguém, ou algumas meninas, bonito daquele jeito. Você nunca tinha visto ele com ninguém, mas bastou aquele dia infeliz na praia. Você nem sabia que ele frequentava o posto 6. E lá estava ele, com aquela magrela sorridente. Fim da paquera.

Era a primeira etapa da entrevista praquele grande emprego que vocês estava doido pra conseguir. Seu sonho, trabalhar naquela empresa, nem estava acreditando que seu currículo tinha sido o escolhido entre tantos outros, que sorte! Se arrumou todo, treinou pra falar bem, se portar de maneira exemplar, até deu uma estudada sobre como andavam os negócios da empresa. Mas tinha um cara que estava mais bem vestido que você. Ele tinha morado fora do país, falava tão bem que o moça do RH sorriu pra ele. Bastou - você ficou desanimado pela concorrência e esqueceu tudo que tinha preparado.

Foi um ano inteiro de livros lidos, noites viradas tentando escrever algo que prestasse. Você não faltou nenhuma orientação e fez exatamente como seu professor mandou. Achava que a monografia estava perfeita, pediu pra umas cinco pessoas revisarem, e arrumou tudo, formatou de novo, mandou encadernar. Era a hora da apresentação. Você estava nervosa, normal, mas achava que ia mandar bem. Montou suas coisas, levou todo o material pra cima da mesa e virou de costas pra escrever algumas coisas na lousa. Quando foi desvirar, seu ex-namorado apareceu sentado como platéia, atrás da sua banca examinadora. Bastou olhar pra cara dele que você começou a gaguejar, pensando no próximo semestre fazendo outro projeto.

Vocês estavam ótimos, nunca mais tinham discutido por besteira e você resolveu que iria esquecer todos os problemas, considerados agora muito idiotas, se comparados ao que vocês significam um pro outro. O que são esses defeitos pífimos, meu Deus, se vocês se divertem tanto juntos, se dão bem, se entendem?! Nada, ou quase nada. Bom, o suficiente pra você levar a vida e a relação numa boa, sem preocupações por um futuro ainda distante. Mas vocês brigaram. E bastou essa briga pra você voltar a repensar tudo, se vale a pena, se realmente vale a pena abrir mão de certas coisas por uma coisa que sei lá se vai dar certo.

Basta uma. Uma magrela, uma concorrência, uma figura mal-explicada, uma briga de rotina. Mas basta uma e basta - desistência.

Um comentário:

Carol disse...

Um dia ainda lerei livros seus......

Postar um comentário