terça-feira, 25 de maio de 2010

O reencontro

- Ah, mentira...

Você pensa, assim que vê a cara da sua ex do outro lado da festa. Nem imaginava que ela estaria lá, mas o mundo é pequeno e idiota o suficiente pra fazer com que amigos em comum sejam mal-educados e levem seu atual-maior motivo de ódio pra perto de você. Fechando com lacinho de fita na cabeça, ela vem acompanhada com um cara. Você nem sabe quem é, deve ser um daqueles pela-sacos que ficavam mandando scraps no Orkut dela, ou puxando papo pelo MSN, com certeza deve ser um deles - você tinha toda razão quando ficava puto com aquilo.

Passa pela cabeça todo aquele período de brigas de novo, as ligações da madrugada, quantas vezes não resisitam e, bêbados, se ligavam, se encontravam e no dia seguinte voltava tudo na mesma, porque uma hora o efeito da cerveja acaba e não adianta, você não confiava mais nela, que não suportava sua desconfiança. Mas agora, vendo as mãos mais macias que você já tocou segurando aquele braço musculoso babaca, você tem certeza absoluta que tinha toda razão pra desconfiar - ela já devia era estar com ele quando vocês namoravam.

Bom, você pensa melhor e percebe que já se foram quase 8 meses que nem se viam, falavam nem nada - só você que ainda fuxica o Orkut dela, mas o seu perfil não mostra as visitas, ela nem deve saber que você ainda a olha de longe. Vai que de repente ela ficou esperando você procura-la? Que nada, ela quem devia ter te procurado, não dizia que sentia saudades toda vez que você acabava ligando? Então. Só se ela realmente não te traía, aí sim meu ciúme doentio era motivo pra ela não ligar. Será?

Você respira fundo, pelo amor de Deus, pára de olhar pra cima e pra baixo evitando que os olhares se cruzem, esse play não tem nem como fazer essa proeza. Se prende nas suas razões pra tanta neurose, ela era gata, cara, lógico que estava te traindo, seus amigos te alertavam tanto. Não era inveja deles, como sua ex dizia. Viu, já tá até com outro, desfilando. Ela me viu. Eu sabia! Abaixou os olhos, respirou fundo - que nem eu. Será que ela não me traía, meu Deus? Sorriu.

- Oi...

Mas você não disse. Só pensou. Sorriu de volta o cumprimento imaginado e pegou de volta a mão da sua namorada - é, 8 meses é tempo suficiente pra estar com outra. E você nunca vai ter certeza se ela ainda te ama. Só porque você não acreditava quando ela te dizia que sim.

3 comentários:

Clara disse...

nunca passei por isso... mas é engraçado como o acaso nos coloca em situações engraçadas. =)

Anônimo disse...

Pois é.. certas pessoas deveriam sumir.
Laís

ROGERIO disse...

eu sou aquele amigo do robgol, se vc lembra de mim me passa o seu cel q quando eu colar ae no rio te ligo pra gente da um rolé e tomar umas cachaças...hehehe

Postar um comentário