terça-feira, 8 de maio de 2012

Tanto quanto

Sinto saudades tanto quanto tento lembrar de detalhes que já não sei mais. Sonho com histórias que lutam com tantas que não consigo mais saber. Sinto o perfume, mas não mais o cheiro. Lembro de roupas, porém não sei mais o tamanho. Conheço seu gosto, suas escolhas e ideias, ao mesmo tempo em que confesso não reconhecer mais esse em que você se transformou. Ou esse que sempre esteve aí, eu que nunca vi, ou enxerguei. Sinto raivas que me mantém tão longe quanto perto desse passado onde a gente ainda é a gente.


Sinto tanta falta quanto paz; tanta calma que eu já não sentia mais. Lembro de coisas que não deveria, e esqueço de lembrar quando deveria ser obrigatório. A gente tem se confundido, você e eu. Não quero encontrar, mas já não evito de propósito. Evito porque mudei, porque cresci, ou porque não aconteceu nada disso e o amor só acabou - eu que tinha esquecido como era essa sensação. Não pensei que iria passar por isso, não com você. E acertei, afinal estou passando por isso sem você, não é?


Pensei que a gente só amava uma vez, e vi que não. Pensei que a gente podia amar pela primeira vez pra poder saber valorizar quando o amor da nossa vida chegasse, e vi que também não... Agora eu já não sei mais. Não vejo nem sinto amor por aqui; olho em volta e já não sei se não vejo, se não quero ver ou se tenho lutado contra isso com todas as minhas forças. Eu já não sei mais. Quero que o tempo passe tanto quanto quero que pare; quero você de volta tanto quanto não quero mais. Te amo e te ignoro. Tanto quanto.

Um comentário:

Paulo Tamburro. disse...

Olá Nina,

sou seu seguidor e aí está a chave na fechadura, no seu quadro do Google Friend Connect e andei ausente por motivos maiores do que minha vontade.

Estou de volta e leio este seu texto, simplesmente espetacular.

Coisas do amor e você mandou muito bem!

Um abração carioca.

Postar um comentário