quarta-feira, 30 de julho de 2008

Até a última gota

Acho lindo quando as pessoas 'acham que acharam' o amor de suas vidas. Aquela sensação e esperança do 'pra sempre', de preenchimento do vazio, a supra da carência, paixão, mãos dadas e toda aquela baboseira clichê. Acho super lindo e de uma importância absurda o aproveitamento até a última gota, como se fosse acabar amanhã.

Porque pode não acabar, mas como saber? Quando eu 'achei que tinha achado' o amor da minha vida, acabou. Um belo dia - ou nada belo - acabou. Até hoje passa pela minha cabeça se eu não fui até a bendita última e derradeira gota. Se não assisti dormir, conheci e me deixei conhecer, viajei, fiquei junto, briguei (com e por ele), se amei o suficiente. Pergunto-me se não até a última gota, pelo menos quão pude. Porque fica a sensação de ter feito pouco.

Vejo todos os casais e digo para aproveitarem os 'achados amores de suas vidas'. Que se achem, percam-se, esqueçam, quem liga? Vale tudo - ou quase tudo - por não saberem de amanhã. Às vezes a gente sabe, às vezes a gente acha que está preparado, mas quase sempre só achava mesmo e não estava pronto nem de longe, nem por fora (quanto mais por dentro).

Aí a gente se pega um belo dia (pelo que sei, caros, nada belo. Nada.) com toda aquela sensação se amor-não-devidamente-amado martelando a consciência e doendo no peito. 'Nossa, mas vocês se amaram muito, eu percebia.' Que seja, a sensação não some. Então você se olha com aquele amor todo e não sabe o que fazer com ele. Joga na vala? Corre atrás do prejuízo e perde o pouco de juízo e amor-próprio que ainda tinha pra amar até a última gota.

Em vão. A gota final e alguns bons litros de amor ficaram.

E você procura esquecê-los, até ver os amores que se acharam, e lembrar feliz dos dias belos que você já teve, um dia. Ah, gente, aproveitem. Abro a posta do armário e ó lá o amor que sobrou sentadinho, de pernas cruzadas! Ele me olha e sorri. Fecho a porta e penso nas gotas finais. O amor está lá, pronto pra elas. Só ainda não sei com quando vou gastá-las, quando vou 'achar que achei o amor da minha vida'. Não de novo.


4 comentários:

Anônimo disse...

Com disse o grande Renato, oPRA SEMPRE SEMPRE ACABA

TIBÉRIO

Anônimo disse...

Belo texto. Nina, pq vc nescreve mais n coluna de maceió?
ASS:kika

Li disse...

Oi Nina,
um dia eu queria te conhecer so pra te dizer q pra mim, vc tem uma vida PERFEITA, PERFEITA, PERFEITA e mil vezes PERFEITA. Vc tem TUDO de mais importante e sagrado ao seu lado! (queria te fazer acreditar nisso, pra vc nao ficar mais tristinha nenhum dia).
vc eh MUITO abençoada, nunca duvide disso! alem de linda, inteligente, otima amiga e todas as qualidades q vc sabe q tem.
calmaaa cara, um dia seu amor chega... vc ainda eh novinha! nao desanima pq ainda nao deu certo! Vc JA eh MUITO feliz, pensa assim!
beijos da sua admiradora, Li

SOLANGE disse...

Comecei, sei lá como, a acompanhar seu blog...Por algum motivo eu tenho uma identificação com sua escrita...não que sua escrita me transmita aquilo que eu mesma sou e não consigo descrever, mas pq simplesmente me faz bem...
Não direi, como tantas pessoas (e corretas, sem desmerecer)...Ah...vc vai encontrar um grande amor...pq na verdade...pode ser um amor pequeno...e satisfatório...sei lá...tristeza pode ser positiva...------

Postar um comentário