terça-feira, 22 de julho de 2008

Quando a mudança vem de dentro

Sempre que eu mudo alguma coisa na minha vida, a primeira coisa que muda junto é a minha aparência. Não sei por que. Quando mudei de país, cortei a franja. Quando fui cursar Letras, emagreci. Mudei de colégio, e de unhas. Entrei na faculdade, mudei de óculos. Coisinhas que, confesso, ninguém nunca reparou. Mas hoje, eu reparei, e vi que fazia diferença pra mim, e isso que era importante. Esse meu lado egoísta de ser feliz comigo mesma sempre me fez bem.

Os anos passaram e a mudança foi de "com o amor da minha vida" pro "continuo buscando essa alma gêmea". Difícil e extremamente doloroso, mas hoje, quase um ano depois do começo de mudança, consigo ver claramente: é só uma mudança como outra qualquer. E como todas as mudanças da minha vida, comecei a me mudar por fora. Só que dessa vez, com plena e proposital consciência disso.


Mudei de roupas, mudei os móveis do quarto, troquei de computador, comprei dezenas de bolsas, mochilas novas, fiz um piercing. Viajei muito e mudei de estilo. Fiz novos amigos, até mais simpática com quem não era eu comecei a ser. Tudo pra mostrar que eu estava mudando, que a mudança é escolha minha. Se foi escolha minha ou não, o que importa é que aconteceu. Mudança, é hora de sair daqui prum outro lugar. Viremos a página, escrevamos novas linhas.

Foi quando eu dei fim a pedaços de mim. São só sites, só umas fotos, mas pra mim foi como se eu tivesse ido dormir uma e acordado outra, completamente diferente: completamente resolvida. Daí pra mudar o cabelo foi um pulo; um pulo pra ficar feliz. Só que dessa vez, todo mundo percebeu. Qual a diferença dessa mudança pras outras, meu cabelo está 30 centímetros mais curto? Não, é que a mudança, pra ser real, tem que vir de dentro. E quando vem, a gente não precisa contar: dá pra ver nos olhos. No meu caso, até nas palavras.




8 comentários:

Lais disse...

Mudar é sempre bom, ne? Principlamente quando essas mudanças levam coisas q não no faziam bem.
Belo post.

May i Rafa disse...

Poxa, Niina... Belo texto. Não deixe de atualizar isso aqui. Voc~e escreve muito.

May i Rafa disse...

Poxa, Niina... Belo texto. Não deixe de atualizar isso aqui. Voc~e escreve muito.

rodrigo disse...

aH, O APRENDIZADO.

Anônimo disse...

garota, vc tem um dom. n pare de escrever

tibério

Isolda disse...

Nina, nina... pois é, meNINA, também curti seu estilo de escrita, lembra de mim, n'algumas épocas - provavelmente coisas que já devo ter pensado muito sem escrever jamais! Seu jeito de se destrinchar a vida é atraente. E esse término de relacionamento lhe deu muita munição para isso, hein? Desejo mais e mais munição para você, mas sem se ferir tanto - o que me parece meio impossível no meio da guerra, não?!

Abraço.
Isolda.

Ah, te adicionei no MSN, ok?!

Anônimo disse...

As mudanças ainda são insatisfações, as pessoas não deixam de ser que são...o problema é se algum dia realmente se encontraram.
A sus nova mudança te deu "liberdade", "confiança" e "paz".
Mas será que algumas dessas permanece quando o mundo não está olhando? quando a única inquisição é você mesma?
Nós somos complicados assim mesmo, porém não devemos nunca deixar de buscar a verdade...não parecer o que devemos e ser o que queremos. Isso é mais difícil do que parece, mas não impossivel.
Não mude, evolua.

Belo texto, é literalmente a língüa escrita. PARABÉNS.

Vadio

Anônimo disse...

As mudanças ainda são insatisfações, as pessoas não deixam de ser que são...o problema é se algum dia realmente se encontraram.
A sus nova mudança te deu "liberdade", "confiança" e "paz".
Mas será que algumas dessas permanece quando o mundo não está olhando? quando a única inquisição é você mesma?
Nós somos complicados assim mesmo, porém não devemos nunca deixar de buscar a verdade...não parecer o que devemos e ser o que queremos. Isso é mais difícil do que parece, mas não impossivel.
Não mude, evolua.

Belo texto, é literalmente a língüa escrita. PARABÉNS.

Vadio

Postar um comentário