quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Amenidades

Pior do que o fim é ter que se acostumar com as amenidades. Como é que vão dar dois beijinhos depois de tantos dos melhores beijos que você já deu na vida? Como é que vai dar tapinha nas costas, depois de tanto cafuné no sofá da sala vendo Altas Horas no sábado de noite, depois de pés enroscados embaixo da coberta vendo Friends? A gente não sabe lidar com as amenidades.

Aí o jeito é torcer pra não esbarrar na rua e ter que agir normal quando a vontade é de contar que viu aquele filme que vocês iam ver juntos. O jeito é rezar pra todos os santos, mesmo que você não seja católico, só pra reforçar que ele não apareça nessa festa que você queria tanto ir. Sim, só o risco de presença consegue deixar borboletas sacudindo seu estômago.

Porque é incompreensível achar normal não ter nada, depois de um dia ter tido tudo. Você se mata imaginando diálogos e conjecturando pensamentos, conversas, mudanças na personalidade dos dois, porque sabe que só assim vocês podem dar certo, de novo, um dia. Não, você não quer amizade, pelo amor de Deus. Você só não consegue entender essa distância, depois de tanta intimidade.

Pior do que o fim é ter que se acostumar com as amenidades. Mas um dia a gente se acostuma. Ou finge - pra sempre.

3 comentários:

Ingrid Mirandda disse...

Como pode escrever tudo o que eu sempre to pensando, sentindo. Incrivel!

Aline disse...

Perfeeeito o texto! Disse TUDO!

Cleiton disse...

É assim mesmo...ja passei por isso, mas estou vivo :-)

Postar um comentário