terça-feira, 17 de julho de 2007

O pior dos pecados

Outro dia me perguntaram como eu classificaria os sete pecados capitais, começando do que eu considero pior. Lembro de ter colocado a inveja encabeçando a lista, e cada dia mais acredito que realmente, ela é o pior de todos. Não que seja preciso, não conheço ninguém que goste da infeliz, mas ainda assim vou me explicar: pecados como a gula, a vaidade e a preguiça dificilmente afetam alguém além do próprio que o sente. A luxúria até inclui uma segunda, talvez terceira pessoa, mas não passa disso. A avareza prejudica até o ponto de você tomar vergonha na cara e ganhar o seu. A ira ok, pode causar danos maiores, mas aí é tanto quanto a inveja.

Pediram pra bloquear meu acesso a diversos sites na Internet. Ok, juro que isso não vai mudar a minha vida, por mais que pareça que não vivo sem isso. O problema é por quê. Nunca deixei de fazer nada que me fosse passado, muito pelo contrário, minhas funções só aumentam devido à minha capacidade. Se fosse regra, ok. Mas não é. Honestamente, as pessoas deveriam se preocupar mais consigo mesmas e deixar o umbigo alheio de lado. E daí que é mais bonito, mais isso ou mais aquilo? A inveja mata; mata de raiva, mata a auto-estima, mata o sossego do próximo. E por mais que a gente tente ignorar, faça esforço, passe por cima de todas as coisas e seja superior, a vontade mandar tomar no cu é grande e acaba prevalecendo, fazer o quê?

Tenho sido a extrema paciência nesses últimos tempos, e olha que paciência nunca foi meu sobrenome. Saco cheio. Que merda, que gentinha, caralho. Depois me chama de estressada, preconceituosa, egocêntrica. Até minha mãe acha que eu aturo demais. É, mãe, tudo pelo bem do ambiente onde vivo, vamos cooperar e colaborar pra que tudo saia bem. Vamos um caralho. Torrei minha paciência, tô muito puta e querendo vomitar tudo que venho engolindo com um sorriso de orelha a orelha estampado na cara. Eu poderia peitar, é verdade. Mas além de me dar mais cabelo branco, eu não preciso. Graças a Deus eu não preciso. E o castigo vem. À carroça, que seja, mas vem. Só eu não quero mais assistir de camarote.

3 comentários:

cleo maia disse...

É Nina concordo com você em número gênero e grau.
Mas eu acho que chega uma certa fase de nossas vidas que se preocupar tanto com a opnião alheia é desperdício de tempo.
E é esse tempo perdido que vai nos fazer falta, eu acredito que a inveja é uma coisa que a pessoa têm mas ela fica estacionada ali na vidinha dela, vendo a vida do invejado passar e se transformar.
Dessas pessoas devemos sentir pena, e rezar ou fazer o que for para que elas mudem.
Porque graças a Deus, desse pecado não morreremos.
bjuss

Rafisk disse...

nada como sentimentos a flor da pela pra fazer posts tao bem escritos!


entao... como tenho 2 rafaelas dentro de mim atualmente, uma diria "relaxa..." e a outra diria: "o caralho... vamos juntar nela"


entao me abstenho de opinioes rs


melhor assim rs

Thiago Herculano in Rio. disse...

É minha amiga... a parada parece que tá feia, né!

Mas o mundo é cheio de vacilão e fdp.
Por isso que tem muita gente que diz que lugar de vacilão é na vala! heheheheheehe

Mas não sejamos tão radical pra mandar as pessoas pra vala...vamos manda-las pra merda.

As vezes realmente temos que ouvir calados e engolir muitas coisa. Mas eu só da turma do exija seus direitos e da turma que é contra as injustiças. Por ter essa postura já tomei muito na cara, mas confesso que não me arrependo.

Realmente a posição diplomatica de tolerancia até um certo ponto pode parecer o caminho dos fracos, contudo, se revela depois o caminho dos fortes e inteligentes.

E relaxa "gatAAA" quando eu chegar em Manaus City te passo todos os sites ninjas pra entrar nos sites bloqueados! hahahahaha

Beijãooo e tome maracujina
;)

Postar um comentário